Tablog

Categoria : #prontofalei

Academia, uma experiência antropológica
Comentários 1

Editor do UOL Tabloide

Sub da Sub do UOL Tabloide

Acordar cedo para ir a academia é algo que soa como tortura para mim.

Levanta. Lava o rosto. Veste o top, a bermuda de lycra, a camiseta dri-fit (macacão nem em outra vida), as meias e o tênis de academia. Engole um pão. E vai. Esquece a garrafinha de água. Volta. E vai de vez.

Tal rotina, que para muitos é ‘maravilhosa’, ‘incrível’, ‘não vejo a hora’, ‘força na peruca’, pra mim é arrastada.

‘Work out time’, ‘No pain, no gain’, e outros dizeres típicos de academia nas camisetas. Minha-nossa-senhora, o que tô fazendo aqui?

No vestiário, a coisa piora, é lá que me sinto um peixe absolutamente fora d’água. As moças que chegaram pra malhar às 6h, a esta altura já estão em cima de saltos, usando e abusando do secador da academia, e fazendo a make do dia. Maquiagem. Com esse calor. Nem por decreto.

Mais ainda pode ser pior. Algumas moças fazem da malhação uma experiência realmente social. Se maquiam, ficam de cabelos soltos (como conseguem?) e escolhem a melhor roupa pra suar! Ahhh, e a manjada selfie duck-face pro Instagram!

Na hora de começar o treino, a motivação vai embora. Pesos, séries, repetições, ‘podemos revezar?’, ME TIREM DAQUI!

O que faz a experiência ficar suportável é a presença dos meus fones de ouvido e seja lá o que esteja tocando pra me distrair do ambiente.

Rapazes fortões xavecando as gostosas do ambiente. Tiazinhas que se acham a Beyoncé (nada contra). Gente perdida que nem eu. Instrutores contando piada. Gente marcando a próxima viagem. Gente no celular. Gente marcando a próxima maratona que vão correr. Gente. Não pertenço a esse mundo. Sério.

Aí vem a parte ‘cardio’, esteira, transport, escada (sério, o negócio imita uma escada!), bicicleta, posso escolher. A vontade maior é de ir embora, mas me esforço e vou pros meus 20 minutos de qualquer dessas coisas. Termino. É como se tivesse corrido a São Silvestre. Ok, não é pra tanto.

Dizem que, por mais que você não goste de praticar exercícios físicos, depois que começa é picado pelo ‘bichinho da endorfina’. Hein? Eu não.

Chego em casa. Acabada. Sento no sofá. Netflix.


Qual o cúmulo do capitalismo? Comprar edição de “O Capital” por R$ 88 mil
Comentários 26

Sub da Sub

Das-Kapital-first-edition-for-blogApesar de parecer piadinha fácil, o cúmulo do capitalismo já é fato consumado: um exemplar da primeira edição de “O Capital”, de Karl Marx, foi vendido na última terça-feira (15) por US$ 40 mil (cerca de R$ 88 mil) pela livraria online AbeBooks.

O que torna a edição vendida “especial” é ela ter sido a única publicada em 1867, quando Marx ainda era vivo.
Em seu blog, a AbeBooks até tirou sarro do fato de o livro ter sido vendido justamente no dia em que a bolsa de valores EUA bateu recorde (com o índice Dow Jones chegando ao nível máximo de 17.068 pontos).

Não é de hoje que gente por aí anda fazendo capital com “O Capital”. Em 2011, os exemplares raríssimos em três volumes (publicados em 1867, 1885 e 1894) foram vendidos por US$ 51,7 mil (R$ 114 mil).

E será que Marx, pensador convicto da derrocada do capitalismo seguido da vitória do comunismo com a libertação da classe trabalhadora oprimida e explorada por um empresariado criado no usofruto e sedento por mais-valia, ficaria #chatiado (sim, aqui a gente escreve com hashtag, #conviva!) com essas vendas?

Não muito, lembrou Lindesay Irvine, do “Guardian”. “O próprio Marx não era imune à sedução da especulação: a biografia sensacional escrita por Francis Wheen conta que, em 1864, o escritor ganhou mais de 400 libras em ações inglesas, que ‘brotavam como cogumelos’ naquele ano”, escreveu Irvine.

Mas tá aí um bom exemplo de mais-valia, não é mesmo?

 

Das-Kapital-interior-for-blog

Lá do Guardian.

Foto: Divulgação.


Steven Spielberg posa em foto ao lado de animal caçado e morto. Não, péra!
Comentários 15

Sub da Sub

Era para ser uma brincadeira irônica, mas aparentemente nem todo mundo na internet entendeu (o que tem sido cada vez mais recorrente, já reparou?). No Facebook, o norte-americano Jay Branscomb publicou a imagem de Steven Spielberg, diretor de “Jurassic Park – Parque dos Dinossauros”, ao lado de um boneco de um tricerátopo. Na legenda, Branscomb criticou o “caçador desprezível” por se vangloriar da presa morta. E o pessoal nem reparou que o bicho era de mentira na hora de comentar…

“Foto vergonhosa de um caçador recreacional feliz ao lado de um Tricerátopo que ele acabou de massacrar. Por favor, compartilhe para que o mundo possa nomear e envergonhar este homem desprezível”, escreveu Branscomb no post, compartilhado por mais de 11 mil usuários do Facebook.

spielberg

O post foi suficiente para uma enxurrada de comentários condenando o “ato cruel” de Spielberg. Eis alguns:

“Steven Spielberg absolutamente não tem respeito pelos animais.”

“Posar na frente de um pobre animal desse jeito. Crueldade.”

“Oh, meu Deus, como ele pode matar uma criatura inocente como essa? O que ela fez contra você? Tipo, o que tem de errado com você?”

“Um dia vamos perceber que estamos matando todos os animais do planeta, e que precisamos deles para sobreviver.”

O melhor comentário, no entanto, foi destacado pelo site Neatorama.

Internauta 1: “Esse é Steven Spielberg, diretor de Jurassic Park!

Internauta 2: “Eu não ligo para quem ele é. Ele não deveria ter atirado naquele animal.”

spielbergdinosaurkiller

Mas, por favor, não percam a esperança na humanidade.


Lá do NY Daily News e Neatorama.

Imagem: Reprodução/Facebook.


Dois em cinco homens recusariam sexo para ver futebol (imagina na Copa!)
Comentários 4

Sub da Sub

E005251Conheça agora a prova da atenção exclusiva masculina para os eventos futebolísticos. Uma pesquisa feita com 2.000 homens no Reino Unido mostrou que dois em cada cinco deles (40%) recusariam fazer sexo só para assistir a uma partida. Pois é, queridinha, imagina na Copa!

O levantamento, encomendado pela Durex à consultoria 72 Point, mostrou também que 42% dos entrevistados seriam a favor de uma rapidinha para poder dar atenção à uma partida de futebol importante.

Mas a pesquisa aponta que há esperança, amiga. Um terço dos rapazes aceitaria fazer sexo, desde que pudesse deixar a TV ligada para dar uma espiada na partida. Melhor que nada, não?

Abaixo, os motivos mais mencionados por eles para não fazer sexo:

1. Querem ver futebol

2. Têm dor nas costas

3. Estão muito cansados

4. Estão com dor de cabeça

5. Têm de trabalhar até tarde

6. Têm de trabalhar

7. Estão bêbados

8. Querem deixar para mais tarde

9. Não se sentem bem

10. Acordaram muito cedo no dia

#uolbr_geraModulos(‘embed-lista’,’/2014/leia-mais-mulher-1402609612974.vm’)
Lá do Daily Mail.

Imagem: Getty Images.


Aí o príncipe William vai te desejar boa sorte e…
Comentários 12

Editor do UOL Tabloide

Tranquilo, você está de cuecas, afinal, po Will, era fim de jogo!

O príncipe William, que é presidente da Associação de Futebol (tipo uma CBF), gastou um tempinho cumprimentando cada um dos 23 jogadores da seleção inglesa e discutindo táticas de jogo.

Batendo um papo com os exaustos (e seminus) jogadores, o duque desejou sorte e boa viagem ao Rio de Janeiro agora em junho.

Gary Cahill com o príncipe

Gary Cahill com o príncipe

Britain's Prince William, president of The Football Association, speaks to England captain Steven Gerrard after their international friendly soccer match against Peru in London

De toalhas, o capitão Steven Gerrard bate um lero com o príncipe

Crédito das fotos: Reuters.


Em 1º de abril, melhor enrolador vai ser escolhido
Comentários COMENTE

Editor do UOL Tabloide

E você aí que achou que o embromation só serviu pra te fazer passar na facul, né? Agora você poderá ser reconhecido por essa difícil arte, porque vamos combinar, não basta ser enrolador, tem que ser um BOM enrolador, pra não dar na cara.

O Red Bull Embromation vai escolher o mestre na arte de embromar entre universitários de todo o Brasil. Se você sempre foi aquele aluno bom em enrolar nas apresentações de faculdade, abria as apresentações de power point que nunca viu antes e convencia os seus professores de que era um especialista no assunto, essa é a sua chance de mostrar o seu talento!

No dia 1º de abril, universitários do país todo disputarão o título de melhor embromador. No Red Bull Embromation, os enganadores de plantão terão 30 segundos para enrolar sobre cada um dos três temas propostos.

Ao todo serão escolhidos oito enroladores de cada faculdade, que participarão de disputas de 1 minuto e meio no formato homem a homem. Ganha aquele que conseguir arrancar mais gritos da plateia, formada pelos próprios alunos.

Os interessados devem se inscrever no próprio dia, no local onde acontecerá o evento. Serão mais de 40 universidades em todo o país buscando o mestre na arte de embromar. Em São Paulo, o evento acontecerá na Faap, PUC, FGV, Unisantana, ESPM, Mackenzie, USP e Metodista; e no interior na Facamp, Unesp e Ufscar.

Corre aí, e não enrola pra se inscrever! E vai preparando o repertório…

Todo esse papo de enrolation e embromation, me lembrou Joel Santana!#uolbr_geraModulos(‘embed-lista’,’/2014/joel-santana-o-mestre-1395864164764.vm’)


Falta 1 mês pro Natal! O que mais gosta dessa época? Vote
Comentários COMENTE

Editor do UOL Tabloide

Uma música para celebrar

E aí, caro tabloidonauta? Falta exatamente 1 mês para o Natal, e você está se comportando bem para ganhar aquele presente batuta do bom velhinho?

Esta época é cheia de símbolos, né!?! Casa decorada, Papai Noel, peru, amigo secreto, trânsito, 25 de Março lotada, briga por vaga no shopping, tudo caro, beeem caro, ahhhhhhhhhh… paramos!

Mas e você, o que mais gosta nessa época tão festiva? Vote na enquete abaixo!

  • 16766
  • true
  • https://noticias.uol.com.br/enquetes/2013/11/25/o-que-voce-mais-gosta-da-epoca-do-natal.js


Em defesa da pizza
Comentários 10

Editor do UOL Tabloide

Por um Brasil com mais pizzas

Por um Brasil com mais pizzas

Você, cidadão brasileiro que paga seus impostos, se indignou com a decisão do STF de retomar parte do julgamento do mensalão. Ok! Justo. Cada um se revolta com a causa que quiser. Só lhe peço um favor: não desconte na pizza.

Milhares e mais milhares de brasileiros ficaram furiosos porque o mensalão pode “acabar em pizza”. Mentira! Pode ter acabado em impunidade. Em patifaria. (Ou não, depende do seu ponto de vista e não estou aqui para entrar neste mérito.) Mas em pizza, não. Até porque acabar em pizza é algo ótimo.

Imagine só, chegar em casa após um dia cansativo de trabalho e ser recebido com uma pizza portuguesa quentinha. Hummmm. Só de pensar já sinto o cheiro. Discussões sobre pizza deveriam se resumir a questões como: como ou sem ketchup? Massa fina ou grossa? Calabresa leva queijo ou não?  Agora, misturar indignações coletiva com o pobre alimento é revoltante!

Dizem que a expressão surgiu no Parque Antarctica, sede do Palmeiras, após uma reunião tensa nos anos 1960 em que dirigentes palestrinos pediram várias pizzas para comer durante o debate. No dia seguinte, a manchete do finado jornal “Gazeta Esportiva” foi “Crise do Palmeiras termina em pizza”.

Então, pense nas noitadas felizes regadas com pizza antes de dizer que qualquer coisa “terminou em pizza”. Proponho, em lembrança à última quarta-feira, trocar a expressão por “terminou em embargo infringente”.


A internet é uma fria que aquece o coração dos desocupados
Comentários 1

Editor do UOL Tabloide

O que ainda pode ser dito sobre a internet que faça jus à sua magnitude?

Só na rede mundial de computadores é possível saber que uma revista de direita como a “Time” tem uma agenda satanista, que o Obama ajuda a manter minha caixa de entrada livre de ameaças e, por último mas não menos importante, gatos podem ser estranhamente sexy.

O mais novo serviço de utilidade pública da internet tem tudo a ver nestes (maus) tempos: é uma página dedicada a bonecos de neve brasileiros, que reúne fotos de…. deixa pra lá, não queremos estragar a surpresa.

É quente: quer melhor passatempo que Facebook pra passar o tempo na firma nesse clima? (Foto da comunidade acima. Admita, você está se derretendo de curiosidade pra saber o que mais tem lá)

Obrigado, internet. Sem você, a jornada de trabalho seria muito mais árdua.

<3 <3 <3